Domingo, 14 de Julho de 2024 14:07
5192690447
Colunistas Economia

Passagem Aérea e Alimentos Puxam Redução na Inflação no IGP-DI de junho, diz FGV.

Resultado trouxe uma boa notícia para os consumidores brasileiros.

08/07/2024 13h29
Por: Paulo Negretto Fonte: Jornal do Comércio
Fonte: Jornal do Comércio - “IGP-DI FGV” - Foto: Patrícia Comunello
Fonte: Jornal do Comércio - “IGP-DI FGV” - Foto: Patrícia Comunello

O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de junho, calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), trouxe uma boa notícia para os consumidores brasileiros: a inflação ao consumidor desacelerou. Com uma elevação de apenas 0,22% em junho, comparado a 0,53% em maio, essa queda foi impulsionada principalmente pelos recuos nos preços das passagens aéreas, transporte por aplicativo e alguns alimentos, como mamão papaya, banana-prata e cebola. Vamos analisar, detalhadamente, os fatores que contribuíram para essa desaceleração, as variações entre diferentes classes de despesa e os impactos no mercado atacadista, destacando a importância dessa redução para a economia brasileira.

Queda nos Preços de Passagens Aéreas e Transporte por Aplicativo:

Um dos principais fatores que contribuíram para a desaceleração da inflação ao consumidor em junho foi a significativa queda nos preços das passagens aéreas e do transporte por aplicativo. As passagens aéreas, que registraram um aumento de 5,52% em maio, apresentaram uma redução de 4,81% em junho. Essa diminuição é particularmente relevante considerando a alta volatilidade dos preços no setor aéreo, influenciada por fatores como a variação no preço do combustível, políticas tarifárias das companhias aéreas e demanda sazonal.

Da mesma forma, o transporte por aplicativo, que havia apresentado um aumento substancial de 8,60% em maio, recuou 7,03% em junho. A queda nos preços deste serviço pode ser atribuída a vários fatores, incluindo aumento da concorrência entre as plataformas de transporte, promoções e ajustes nas tarifas em resposta à demanda do mercado. A redução nos custos de transporte tem um impacto direto no orçamento das famílias, tornando-se um alívio significativo para os consumidores.

Impacto dos Alimentos na Inflação:

Outro componente crucial para a desaceleração da inflação foi a queda nos preços de alguns alimentos, com destaque para o mamão papaya, banana-prata e cebola. O mamão papaya registrou uma queda expressiva de 15,06% em seus preços, enquanto a banana-prata e a cebola tiveram reduções de 6,07% e 3,92%, respectivamente.

A redução nos preços desses alimentos pode ser explicada por fatores sazonais, que afetam a oferta e a demanda. A maior oferta durante o período de safra, aliada a condições climáticas favoráveis, tende a reduzir os preços desses produtos. Além disso, a logística de distribuição e as práticas agrícolas eficientes contribuem para a estabilidade e eventual queda dos preços.

Continua após a publicidade
Anúncio

Análise das Classes de Despesa:

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) mostrou que seis das oito classes de despesa analisadas registraram taxas de variação mais baixas em junho. Entre essas classes, destacam-se Educação, Leitura e Recreação, que passou de 0,87% em maio para -0,75% em junho, e Habitação, que reduziu de 0,41% para 0,13%. A classe de Transportes também apresentou uma significativa desaceleração, de 0,49% em maio para 0,19% em junho.

Dentro dessas classes, alguns itens específicos tiveram um papel fundamental na desaceleração da inflação. Por exemplo, o aluguel residencial, que apresentou uma alta de 1,24% em maio, subiu apenas 0,17% em junho. Esse comportamento pode ser atribuído a uma menor pressão de demanda no mercado imobiliário e a uma maior oferta de imóveis para aluguel.

Comunicação e Saúde:

No setor de Comunicação, a queda foi impulsionada principalmente pelo combo de telefonia, internet e TV por assinatura, que registrou uma variação de 0,96% em maio para -0,29% em junho. Este movimento reflete a intensificação da concorrência entre os provedores de serviços, resultando em preços mais baixos para os consumidores.

Já na categoria de Saúde e Cuidados Pessoais, apesar de uma pequena redução na taxa de variação de 0,67% em maio para 0,57% em junho, houve uma contribuição notável de itens como artigos de higiene e cuidado pessoal, que tiveram uma leve desaceleração de 1,66% para 1,44%. A competição no setor de produtos de higiene e o aumento da oferta de marcas mais acessíveis são fatores que influenciam essa diminuição.

Vestuário e Despesas Diversas:

Em contrapartida, as classes de Vestuário e Despesas Diversas apresentaram uma elevação na taxa de variação dos preços. No caso do Vestuário, a variação passou de -0,54% em maio para 0,36% em junho, influenciada principalmente pelo aumento no preço das roupas, que saiu de -0,73% para 0,33%. Esse aumento pode ser relacionado a fatores sazonais e ao aumento dos custos de produção.

Nas Despesas Diversas, a taxa subiu de 0,21% para 0,44%, com destaque para os serviços bancários, que registraram um aumento de 0,00% em maio para 0,86% em junho. A elevação nos custos dos serviços bancários pode refletir ajustes tarifários por parte das instituições financeiras, impactando diretamente os consumidores.

Núcleo do IPC-DI e Índice de Difusão:

O núcleo do IPC-DI, que exclui os itens com maior volatilidade, registrou um leve aumento de 0,34% em junho, comparado a 0,31% em maio. Este índice é importante para entender as tendências subjacentes da inflação, desconsiderando os efeitos temporários de choques de preços em itens específicos.

O índice de difusão, que mede a proporção de itens com aumentos de preços, também apresentou uma queda significativa, passando de 61,29% em maio para 54,19% em junho. Essa redução indica uma menor disseminação de aumentos de preços entre os diversos itens, sugerindo uma inflação mais controlada e localizada.

Análise dos Preços no Atacado:

Além do comportamento dos preços ao consumidor, o IGP-DI também analisa os preços no atacado, divididos entre produtos agropecuários e industriais. Em junho, os preços dos produtos agropecuários, medidos pelo IPA Agrícola, subiram 1,52%, após uma alta de 0,38% em maio. Esse aumento reflete as condições climáticas e sazonais que impactam a produção agrícola.

Por outro lado, os produtos industriais, mensurados pelo IPA Industrial, tiveram um avanço mais modesto de 0,19% em junho, comparado a uma elevação de 1,19% em maio. Esse comportamento indica uma menor pressão de custos nos setores industriais, que pode ser decorrente de uma estabilização nos preços de matérias-primas e insumos industriais.

Preços por Estágios de Processamento:

O Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP) permite uma visualização da transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva. Em junho, os preços dos bens finais tiveram um aumento de 0,41%, ante alta de 0,73% em maio. Já os preços dos bens intermediários subiram 0,45% em junho, depois de aumentarem 0,88% em maio. Por fim, os preços das matérias-primas brutas registraram uma elevação de 0,80% em junho, após uma alta de 1,33% em maio.

A desaceleração da inflação ao consumidor medida pelo IGP-DI de junho é um reflexo de diversos fatores que influenciaram positivamente a economia brasileira. A queda nos preços das passagens aéreas, transporte por aplicativo e alimentos foi fundamental para esse resultado, aliviando a pressão sobre o orçamento das famílias. A análise detalhada das classes de despesa e dos preços no atacado evidencia uma menor disseminação dos aumentos de preços, contribuindo para um cenário de inflação mais controlada.

Esses dados são encorajadores para a economia brasileira, indicando uma tendência de estabilização dos preços e um possível alívio para os consumidores nos próximos meses. No entanto, é crucial continuar monitorando as variáveis econômicas e os fatores externos que podem impactar a inflação, garantindo que as políticas econômicas adotadas continuem promovendo a estabilidade e o crescimento econômico sustentável.

Redação: Colunista Paulo Negretto

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Paulo Há 6 dias Caxias do Sul / RSCom otimismo e muito pé no chão, essa desaceleração nos custos reflete-se positivamente na economia, aliviando o bolso dos consumidores.
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Economia & Negócios
Sobre Economia & Negócios
Paulo Negretto - Colunista do Portal MPV (mostrandopravoce.com.br). Bacharel em Administração de Empresas, Corretor de Imóveis, Esportista, Representante Comercial, Teólogo. Esta Coluna do Portal MPV - Aborda assuntos em geral, sobre a economia e situações do momento no contexto econômico.
Porto Alegre, RS
Atualizado às 12h04
14°
Tempo nublado

Mín. 11° Máx. 14°

14° Sensação
6.17 km/h Vento
89% Umidade do ar
100% (30.29mm) Chance de chuva
Amanhã (15/07)

Mín. 13° Máx. 17°

Chuvas esparsas
Amanhã (16/07)

Mín. 12° Máx. 19°

Tempo nublado